Às 17 semanas descobrimos que o nosso filho Miguel tinha um grave problema no coração, que indicava também que podia ter trissomia 21. Como a gravidez era para levar até ao fim, decidimos  que não queriamos fazer a amniocentese.
Às 36 semanas o nosso filho Miguel nasceu por parto provocado com uma Cardiopatia Complexa (Defeito completo do septo AV e ventriculo esquerdo hipoplasico) e trissomia 21. Foi operado pela 1ªvez aos 7 dias, e uma 2ªvez aos 5 meses.
O Miguel nasceu com o coração aberto, não tinha divisórias no seu interior, os sangues arterial (Bom) e venoso (Mau) misturavam-se para além de que o seu ventriculo esquerdo era muito pequeno.
Foi necessário reconstruir o seu coração.
Ao mesmo tempo que o seu coração era reconstruido fisicamente no Hospital de Santa Cruz, nós pais e restante familia fomos reconstruindo os nossos corações também.
Onde existia muito medo, tinhamos agora a missão de cultivar um nivel de amor incondicional que não conheciamos.
Ao fim destes 3 anos e meio de “grandes construções”, o coração do Miguel e o nosso estão mais perfeitinhos. Os sangues ainda se misturam, tal como as emoções do medo e do amor, mas já é muito menos.
Somos mais… experiências, aventuras, desafios, lutas, alegrias, tristezas,crescimento como melhores pessoas!
Apesar de o medo ainda existir dentro nos nossos corações, o amor incondicional cresce todos os dias e sem dúvida que temos de agradecer a este nosso filho tudo o que somos hoje!
Ana Tavares, 2017