A Beatriz com o avô

Mistura imprevisível

A bela manhã surgia
Em todo o seu esplendor
De novo se repetia
Outra dádiva de amor
Uma manhã de alegria
E consequente esperança
No presente a euforia
No porvir a confiança
E foi em grande ansiedade
Que as horas foram contadas
Até saber a verdade
Com notícias menos esperadas

 

 

 

E a tarde acontecia
Já sem o mesmo esplendor
A dádiva se repetia
Não só de amor mas de dor
Alegria e tristeza
Mistura imprevisível
E a mais amarga certeza
De algo irreversível
E perante as evidências
Meus pobres olhos choraram
Quando em outras ocorrências
Eles mesmos exultaram

 

 

 

Por fim a noite baixava
Prenha de paz e mistério
Minh`alma não descansava
Em busca de refúgio
Vi então na noite escura
Que pra mitigar minha dor
O remédio era a ternura
Eflúvios de muito amor
Dar um mundo bem melhor
Ao que por direito merece
Pois em nada é inferior
Ao que de perfeito se enaltece.

José Alberto Rolim, poema inspirado na neta Beatriz