Com a entrada para o Ensino Básico a responsabilidade da educação passa a ser da escola. Na escola encontra uma equipa de educação especial, que em conjunto com os pais e os professores titulares faz um levantamento das necessidades especializadas de cada aluno.

Embora a legislação (Decreto de Lei 3/2008 e Portaria 201-C) que rege a educação especial na escola seja a mesma em todo o território nacional, nem sempre encontramos os mesmos recursos de região para região.

Portugal assumiu o compromisso da escola inclusiva: informe-se junto da DGESTE(Direcção-Geral dos Estabelecimentos Escolares)e consulte o Decreto de Lei 3/2008, não deixe a educação do seu filho nas mãos dos outros. Os pais têm um papel fundamental na criação do projeto de vida dos filhos.

Quando for assinar o PEI (Programa Educativo Individual) lembre-se que deve concordar com o que nele está escrito. Caso não concorde ou não entenda as medidas expostas, exponha as suas dúvidas e transmita à equipa os seus desejos e preocupações. O PEI deve ser elaborado por todas as partes envolvidas na educação da criança ou jovem (pais, professores titulares e professor de educação especial).

Nos últimos anos tem-se verificado um crescendo no encaminhamento de crianças com T21 para as Unidades de Multideficiência (artigo 26º do Decreto de Lei 3/2008) e, por vezes, para as salas de Ensino Estruturado (confira artigo 25º do Decreto de Lei 3/2008). Sabemos que as crianças com trissomia 21 são capazes de aprender, quando devidamente estimuladas. Esteja atento e acredite no seu filho. Todas as crianças devem ter oportunidade de desenvolver as suas capacidades ao máximo, e, o melhor lugar para que isto aconteça, é entre os seus pares na sala de aula.

VOLTAR para DIREITOS E DEVERES, aqui.